sexta-feira, 18 de outubro de 2019

"Meu amado filho drogadicto e esquizofrênico" - Com Clara Dawn

Vou lhes contar a história do meu filho Arthur, um jovem estudante de arquitetura, aspirante a piloto da aeronáutica e poeta. Cresceu dentro da normalidade de uma família de trabalhadores. Era um bom filho. Dedicado aos estudos e muito amoroso com os familiares e também com seus amigos. Aos 14 anos começou a fazer o uso de substâncias psicoativas e como a sua vida parecia seguir dentro da ‘normalidade do uso recreativo da maconha’, não houve grandes alardes acerca do assunto. Mesmo porque ele concluiu lindamente o ensino médio; ganhou 3 medalhas nacionais de matemática e física; foi tricampeão de Karatê; passou em todos os concursos que prestou, inclusive no vestibular de arquitetura da Universidade Estadual de Goiás, e se preparava para a prova de admissão para piloto da aeronáutica quando algo extraordinário aconteceu: Ele teve um surto psicótico.

Do diagnóstico de esquizofrenia na adolescência

Aos 19 anos, ele entrou em Franco Surto Psicótico. Sim, ele surtou literalmente: ouvia vozes, via pessoas sem cabeças transitando pelas ruas, achava que tinha o poder curar pessoas e animais, arquitetou um plano extraordinário para salvar o planeta… As vozes eram insanas, agressivas, persuasivas e incessantes. Ele parou de dormir e de se alimentar… Perdeu mais de 10 quilos em poucos dias. A internação foi inevitável, pois o risco de suicídio era iminente.
O diagnóstico: Transtorno Psicótico Agudo, tipo Esquizofreniforme (Esquizofrenia Paranóide F20.0 – Cid 10) – com alteração grave da consciência, pensamento delirante, ideação suicida e alucinações visuais.
– Isso tem cura doutora?
– Não.
– Tem controle?
– Se ele nunca mais usar qualquer tipo de droga, pode ser que ele possa ter uma vida livre dos surtos, mas nunca mais poderá parar de tomar os remédios.  Mas se ele usar maconha mais uma única vez, nós não conseguiremos trazê-lo de volta a lucidez nunca mais.

Lidando com o diagnóstico de esquizofrenia

Ele saiu da clínica livre do surto. Compreendeu a doença e aceitou o tratamento: uso medicamentoso de antipsicóticos, visitas semanais à terapia e quinzenais ao psiquiatra, e visitas diárias aos Narcóticos Anônimos. Ele passou 5 meses e 27 dias livre das vozes e começou a escrever um manuscrito intitulado: “No jardim de ervas daninhas, pague para entrar e reze para sair” (link no rodapé), onde ele contou abertamente sobre sua experiência com uso da maconha na adolescência e o diagnóstico de esquizofrenia. Ele passou a dar palestras e entrevistas sobre o assunto e já fazia planos de voltar à faculdade e lutar para que fosse aceito na aeronáutica mesmo sendo esquizofrênico. Entretanto algo dentro de si, o faria trocar o seu cartaz de estreia por um epitáfio.

Da opção pela recaída às vozes 

No dia do seu aniversário 26 de junho, que por uma coincidência confusa também é O Dia Mundial de Combate ao Uso e ao Tráfico de Drogas, Arthur planejou a sua recaída. Decidiu que deveria tirar à prova o que a médica disse e fumou aquele que seria o último back de sua vida. No dia seguinte estava outra vez em surto. Desta vez mais grave. As ideações e tentativas de suicídio eram diárias. Precisou ser internado outra vez. Mas nenhum remédio foi eficaz o bastante para livrá-lo das malditas vozes. Nenhum tipo de tratamento severo foi autorizado: do tipo lobotomia ou eletroconvulsoterapia, porque era desejo dele manter-se acordado a fim de escrever tudo o que estava lhe acontecendo. E ele escreveu a sua história como aqueles que sabem exatamente o fim que dará a ela.

Do suicídio

Para alguns a esperança não é a última que morre, mas a morte, a última esperança para o alivio de sua dor psíquica. E no dia 17 de agosto de 2013, aos 20 anos, o meu filho, meu jovem poeta, lindo e altruísta, optou pelo autoextermínio. Não é verdade que ele queria morrer, ele apenas não queria mais viver. É diferente.

Do legado de que maconha faz mal, sim

E eu que nunca fumei maconha. Nunca usei qualquer tipo de droga. Me vejo inserida nesse contexto social e impulsionada a expor a experiência acerca da esquizofrenia vivenciada pelo meu amado filho drogadicto, esquizofrênico e suicida. Meu filho, poeta, estudante de arquitetura, aspirante a arquiteto da Aeronáutica…(jamais revelou quaisquer sintomas de anomalias mentais); meu filho lindo, amado e tão festivo, se matou. Se eu sabia que ele usava maconha? Sim, eu sabia e vivia tranquila pensando: ‘que bom que ele SÓ usa maconha’. O que eu não sabia, o que também não sabia e ninguém podia imaginar, é que ele tinha predisposição genética para os transtornos mentais; que ele tinha predisposição genética para dependência química. Sabe, isso não sai em exame de sangue e nem no teste do pezinho.
É verdade que ele poderia desencadear a esquizofrenia por outros motivos tais como: um luto ou uma grande desilusão amorosa, mas também é verdade que poderia jamais ter desencadeado a esquizofrenia se não tivesse usado maconha na adolescência, ou poderia estar vivo, apesar do diagnóstico de esquizofrenia, não tivesse levado a prova às orientações da psiquiatra e voltado ao uso.

Da importância da prevenção do uso de drogas na adolescência

Eu gostaria de deixar bem claro que a minha intenção ao relatar essa história não é a de promover debates sobre a legalização e/ou descriminalização do uso da maconha ou quaisquer outras drogas, mas sim, propor a reflexão sobre os riscos da drogadição ativa na adolescência por indivíduos geneticamente predispostos. Coloco a minha vida em exposição neste texto e também em palestra com o único intuito de trabalhar a prevenção do uso, nesse caso, específico da maconha na adolescência.
Tenho “apanhado” muito com a exposição dessa história, mas também imensamente apoiada. Eu não gostaria que isso tivesse acontecido com o meu filho e eu jamais revelaria as minhas vísceras em público, não tivesse eu a plena certeza do que eu digo. Eu não exporia a vida do meu filho ao escárnio, se ele mesmo, antes de decidir pela morte, não tivesse feito isso em suas redes sociais de modo a se colocar como exemplo. Eu poderia, agora que não tenho mais problema algum com drogas em casa, seguir vivendo a minha vida tranquila e ignorar o fato de que o exemplo do meu filho pode servir de alerta aos que ainda não entraram na drogadição. Eu poderia. Sim, eu poderia, mas a minha consciência social não me permite.

A maconha é a droga que mais desencadeia a esquizofrenia em indivíduos geneticamente predispostos

É preciso que os jovens compreendam que tudo na vida evolui e a cannabis evoluiu também: há trinta anos atrás a quantidade de THC (principal substância psicoativa encontrada na maconha) era de 6% e atualmente é 15% com a média a subir, nos próximos anos, cerca de 13%….) Meninos e meninas de 10 a 24 anos, não entrem no jogo das drogas. Digam ‘NAO’ – Vocês podem encontrar alegria de viver na música, na dança, nas artes em gerais e nos esportes. Venham comigo!
Texto de Clara Dawn, escritora, psicopedagoga, psicanalista, pesquisadora que desde 2014 tem se dedicado às pesquisas científicas e de campo sobre a mente na pré-adolescência e adolescência numa perspectiva preventiva aos transtornos mentais e ao suicídio. Está no prelo o ensaio: Jovem, não morra na Golden Gate

Leia mais:

No vídeo abaixo o ator Luciano Caldas, interpreta vida e obra de Arthur Miranda com o espetáculo Voltando Para Casa.

0

terça-feira, 15 de outubro de 2019

Depressão na infância e na adolescência: uma tristeza latente mesmo quando tudo está bem - Por Clara Dawn


Kevin Breel, autor de "Confissões de um adolescente depressivo", foi um dos primeiros jovens a confessar que tinha depressão, uma doença que até hoje causa certo tabu quando dita em voz alta. Em 2013, antes de'13 Razões' (série que conta a história fala das razões que levaram a protagonista, uma adolescente, a cometer suicídio) se tornar febre nas redes sociais), Breel subiu no palco do Ted Talk e afirmou que: 'é imperativo que falemos sobre a depressão na infância e adolescência'.
"Quem não está acostumado com a depressão tem uma impressão errada de que ela significa estar triste. Quando você termina com sua namorada, quando você não consegue o emprego que queria, isso é tristeza, é uma emoção real. Depressão de verdade é estar triste quando tudo na vida está bem”, conceitua Kevin durante a palestra no Youtube. Hoje, com 23 anos, Kevin é comediante, ativista da saúde mental e escritor.

Em seu livro, Kevin, que tentou se matar, fala sobre uma cultura que impede que crianças e adolescentes sejam diagnosticadas: "elas não apresentam os mesmos sintomas de depressão que os adultos". Breel salienta ainda, a importância de conversar sobre a depressão, tamanha sua prevalência que é, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), que lançou a campanha “Depressão: vamos conversar”, já são 300 milhões de pessoas afetadas pelo problema no mundo. No Brasil são 11 milhões diagnosticados com depressão, quase 6% da população.

A depressão na infância e na adolescência: 

Depressão é uma doença grave e se não for tratada adequadamente, interfere no dia a dia das pessoas e compromete a qualidade de vida. Nos adultos, é mais fácil de ser diagnosticada. Eles se queixam e, mesmo que não o façam, suas atitudes revelam que não se sentem bem e a família percebe que algo de errado está acontecendo.

Com as crianças, é diferente. Elas aceitam a depressão como fato natural, próprio de seu jeito de ser. Embora estejam sofrendo, não sabem que aqueles sintomas são resultado de uma doença e que podem ser aliviados. Calam-se, retraem-se e os pais, de modo geral, custam a dar conta de que o filho precisa de ajuda.

No passado, o diagnóstico de depressão era feito por exclusão. Hoje se sabe que sintomas como alterações do apetite e do sono, diminuição da atividade física, medo excessivo, duradouro e persistente, são próprios da depressão infantil.

Na criança, é bem fácil diferenciar a hiperatividade da depressão. Criança hiperativa não para quieta, mexe-se o tempo todo, principalmente os meninos. Entretanto, existe um subtipo de hiperatividade que se caracteriza pela desatenção. A criança não é hiperativa fisicamente, mas não consegue focar a atenção, por isso se retrai e vai abandonando as atividades. Muitos a consideram desligada, mas ninguém a considera uma criança triste.

Ao contrário, criança deprimida logo demonstra que não se interessa por nada e não há brincadeira que a faça sentir-se melhor. Fica parada o tempo todo e quer sempre alguém em que confie por perto.
Na depressão na infância e adolescência, uma das principais causas é a família. A família é o maior agente adoecedor, bem como também é o melhor agente organizador da cura. A criança é como uma esponja que absorve quase tudo em sua volta. Assim, conflitos verbais e/ou físicos entre os pais, traumas, lutos, separações, pais estressados, abandono dentro da própria casa, abuso sexual, agressão física, agressão psicológica verbalizada com palavras e insultos humilhantes, comparações entre um filho e outro, ou com outras crianças, pais helicópteros, falta de limite, falta de experienciar o tédio, falta de experienciar a frustração..., estas coisas, dentre outras, podem elencar riscos iminentes de desencadear a depressão na infância.

Sintomas da depressão na infância: 

Dos 7 aos 12 anos de idade há um aumento nas sinapses nervosas cerebrais e com isso, o pré-adolescente passa a formar a própria personalidade e é normal que fique mais rebelde. Mas quando isso causa dificuldades no aprendizado, ou são mudanças muito drásticas de comportamento que se prolonga por mais de 15 dias, é importante verificar com a ajuda de um profissional se não é uma disfunção de ordem psíquica.

Mudanças nos hábitos alimentares, no sono, um mal estar que a criança não consegue explicar e somatiza em outras partes do corpo, como dores de cabeça e de barriga; morder ou beliscar outras crianças; destruir os brinquedos de outras crianças; doar todos os seus brinquedos; despedir-se, como se fosse fazer uma viagem, com cartinhas ou em falsas ligações de telefone; verbalizar coisas do tipo: eu quero morrer ou eu vou matar, eu vou sumir, ninguém gosta de mim, ferir a si mesmo.
Segundo a doutora Sandra Scivolletto, coordenadora do Grupo Interdisciplinar de Álcool e Drogas, um dos sintomas mais graves de depressão na infância é o sono: "começa a ser interrompido por pesadelos e o medo de ficar sozinha faz com que reclame e chore muito na hora de dormir. Não é o choro de quem quer continuar brincando. É um choro assustado, indicativo do medo que está sentindo o tempo todo". Ele salienta ainda que "na infância, a ocorrência de depressão é praticamente igual nos dois sexos. A diferenciação começa na adolescência, fase em que as meninas são mais vulneráveis".

Sintomas da depressão na adolescência: 

Na adolescência, a intensidade dos sentimentos e emoções aumenta devido as podas-neurais e  a baixa produção de hormônios indispensáveis à felicidade, alegria, prazer e ânimo. Os adolescentes são mais imediatistas e querem resolver rápido a situação que tanto os incomoda. Por isso, num impulso, em momentos de extrema angústia, podem cometer suicídio.
Entretanto é muito difícil perceber neles uma ideação suicida estruturada e planejada ao longo do tempo. Estas se manifestam no estágio grave de isolamento extremo, distúrbios do sono e automutilação. O uso exacerbado de álcool e drogas ilícitas entre os adolescentes geneticamente predispostos aos transtornos mentais e à dependência química, ativa uma bomba relógio no cérebro e este entra em colapso, levando assim o adolescente ao risco iminente de desencadear transtornos mentais graves e/ou suicídio.

Segundo a OMS, a maioria dos transtornos mentais entre adolescentes não é diagnosticada nem tratada. A depressão é uma das principais causas de adoecimento e deficiência entre os jovens. O suicídio é a terceira causa de morte entre jovens de 15 a 27 anos. Já é considerada uma epidemia. Um estudo, publicado na Revista Brasileira de Psiquiatria, indica que o suicídio é até três vezes maior entre jovens do sexo masculino.

Os sete pesquisadores da Unifesp utilizaram dados do SUS (Sistema Único de Saúde), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e do Coeficiente Gini (que mede desigualdade) para chegar às conclusões. Eles apontam a popularização da internet, as mudanças sociais no país e a falta de políticas públicas de combate ao suicídio como as principais razões para esse aumento.
De acordo com o estudo, a taxa entre jovens entre 10 e 19 anos aumentou 24% nas seis maiores cidades brasileiras: Porto Alegre, Recife, Salvador, Belo Horizonte, São Paulo e Rio de Janeiro, enquanto cresceu 13% no interior do país. O aumento contrasta com a evolução dos índices de suicídios no resto do mundo, que caíram 17% no mesmo período.

“Estamos na contramão”, avalia Elson Asevedo, um dos autores do estudo e psiquiatra da EPM (Escola Paulista de Medicina) da Unifesp. “Em 2013, a OMS (Organização Mundial de Saúde) definiu como imperativo global que seus signatários reduzissem essas taxas em até 10% até 2020”.

Diagnóstico:

Antes de fazer o diagnóstico da depressão ou outros transtornos mentais, médicos e psicólogos eliminam fatores orgânicos, como anemia, alteração no estômago ou outros fatores que possam causar os mesmos sintomas. Depois de descartados fatores biológicos, os profissionais da saúde mental farão o diagnóstico e dependendo da gravidade encaminharão para um psiquiatra e somente este poderá medicar.

Entre as várias medidas que governos podem tomar para lidar com esse cenário, a OMS recomenda: a inclusão de serviços de saúde mental na cobertura universal de saúde; a conscientização e capacitação de pais e professores; o oferecimento de atendimento psicossocial em escolas e espaços comunitários, especialmente em contextos de emergência, como situações de conflito e desastres naturais.
A Organização também aponta que cada vez mais evidências científicas indicam que o investimento na saúde mental dos adolescentes beneficia economias e sociedades como um todo, pois permite aos jovens tornarem-se adultos mais produtivos.

Fontes pesquisadas: Organização Mundial de Saúde; Abrinq; ECA; Ensaio sobre saúde mental na infância e adolescênciaEntrevista com Sandra Scivoletto
0

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Sobre o jovem de 20 anos que sequestrou um ônibus e a urgência de se falar sobre a saúde mental na adolescência


Acompanhamos hoje a saga de um jovem de 20 anos que sequestrou um ônibus repleto de pessoas, na ponte Rio-Niterói, depois de 4 horas de negociação, ele foi morto pela polícia.
Não podemos perder a oportunidade de refletirmos sobre a saúde mental de nossas crianças e adolescentes.
Dos 19 aos 27 anos, o cérebro vivencia uma terrível fase de poda neural, gerando assim conflitos existenciais medonhos. É como ligar um aparelho de 110 numa tomada de 220. O aparelho não tem capacidade para suportar tamanha carga e entra em colapso.
Chamo a fase dos 13 aos 27 anos como a Golden Gate da existência. A ponte Golden Gate, uma das 7 maravilhas do mundo moderno, é o lugar onde cerca de 40 pessoas por ano escolhem para o autoextermínio.
Com esta triste metáfora da vida real, quero dizer, por meio de pesquisas de campo, e cientifica, que a adolescência não é o período da "aborrescência", mas sim da "adoescência". Como escreveu o poeta/músico: "há tempos são os jovens que adoecem".
Com base nesses estudos, faz-se necessária urgência falarmos claramente de saúde mental na infância e adolescência, numa perspectiva preventiva ao suicídio.
O suicídio é a terceira causa de morte entre jovens de 15 a 27 anos. Já é considerada uma epidemia.
O jovem sequestrador de ônibus na Ponte Rio-Niterói, levava um livro de Bukowski que traz uma reflexão sobre o sofrimento psíquico:
'Nunca dirijo meu carro por cima de uma ponte sem pensar em suicídio. Quero dizer, não fico pensando nisso. Mas passa pela minha cabeça: suicídio', diz trecho de 'O capitão'.
Minha missão é esta: ajudar os jovens a atravessarem a ponte Golden Gate de suas vidas, sem desejar a morte.

Texto de Clara Dawn - Clara Dawn é escritora, autora de 7 livros publicados, dentre romances, crônicas, ensaios e literatura para crianças; é fundadora e editora chefe do Portal Raízes, atualmente com mais de 1 milhão de seguidores no Facebook; é psicanalista com especialização em prevenção ao suicídio; é psicopedagoga especialista em drogadição na adolescência. Desde de 2014 trabalha no projeto: Jovem, não morra na Golden Gate, que é um ensaio de pesquisa científica e de campo sobre a mente na pré-adolescência e adolescência numa perspectiva preventiva aos transtornos mentais e ao suicídio. Atua em escolas de ensino médio, faculdades e clínicas de reabilitação. É importante reunir o maior número de jovens e pais. O trabalho é voluntário. Só é cobrado o deslocamento e a hospedagem. Contato: escritoraclaradawn@gmail.com ou no Messenger do Facebook




0

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Com 11 milhões de brasileiros com depressão, suicídio já é considerado uma epidemia

“É como se os suicídios se tornassem invisíveis, por serem um tabu sobre o qual mantemos silêncio. Os homicídios são uma epidemia. Mas os suicídios também merecem atenção porque alertam para um sofrimento imenso, que faz o jovem tirar a própria vida”, alerta Waiselfisz, coordenador da Área de Estudos da Violência da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso).

Criador do Mapa da Violência, o sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz destaca que o suicídio também cresce no conjunto da população brasileira. A taxa aumentou 60% desde 1980. O Brasil registrou 11.433 mortes por suicídio em 2017 – em média, um caso a cada 46 minutos. Nos últimos 5 anos, 48.204 pessoas tentaram suicídio, segundo registros de entradas em hospitais, mas isto é um 'subdiagnóstico', estima-se que esse número é muito maior. Dados oferecidos pela diretora da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Fátima Marinho. Em números absolutos, porém, o Brasil de dimensões continentais ganha visibilidade nos relatórios: é o oitavo país com maior número de suicídios no mundo, segundo ranking divulgado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em 2014. (Fonte – BBC).

A Depressão é um câncer na alma que pode levar ao suicídio

Todas as pessoas que têm depressão cometem suicídio? Não. Mas todas as pessoas que cometeram suicídio apresentaram algum quadro de enfermidades mentais. A saúde mental do Brasil está péssima. Cerca de 11 milhões de pessoas foram diagnósticas com depressão, quase 6% da população. É o número 1 com maior prevalência da doença na América Latina, o 2 nas Américas, ficando atrás apenas dos estados unidos. A saúde mental precisa urgentemente ser reconhecida como umas das prioridades nas políticas públicas. Em muitos países, programas de prevenção do suicídio passaram a fazer parte das políticas de saúde pública.
Na Inglaterra, o número de mortes por suicídio está caindo em consequência  de um amplo programa de tratamento de depressão. Reduzir o suicídio é um desafio coletivo que precisa ser colocado em debate. A indiferença, a omissão, o silêncio, não podem ser nossas respostas. Fazer nada é a pior decisão que podemos tomar sobre qualquer assunto. É importante ressaltar que os transtornos mentais concomitantes com o uso de substâncias psicotrópicas (álcool e drogas) torna o suicídio, um risco iminente (crescente).

Suicídio na adolescência: segunda maior causa de mortes entre 15 e 29 anos

Segundo a Organização Mundial de Saúde, o suicídio é a segunda causa de mortes entre jovens entre 15 e 29 e já é considerado uma epidemia. As meninas são as que mais tentam. Os meninos são os que mais conseguem. Por isso o índice de suicídio é maior do que entre os homens.
Acompanhamos a saga de um jovem de 20 anos que sequestrou um ônibus repleto de pessoas, na ponte Rio-Niterói, depois de 4 horas de negociação, ele foi morto pela polícia.
Não podemos perder a oportunidade de refletirmos sobre a saúde mental de nossas crianças e adolescentes. Dos 19 aos 27 anos, o cérebro vivencia uma terrível fase de poda neural, gerando assim conflitos existenciais medonhos. É como ligar um aparelho de 110 numa tomada de 220. O aparelho não tem capacidade para suportar tamanha carga e entra em colapso.
Chamo a fase dos 13 aos 27 anos como a Golden Gate da existência. A ponte Golden Gate, uma das 7 maravilhas do mundo moderno, é o lugar onde cerca de 40 pessoas por ano escolhem para o autoextermínio.
Com esta triste metáfora da vida real, quero dizer, por meio de pesquisas de campo, e cientifica, que a adolescência não é o período da “aborrescência”, mas sim da “adoescência”. Como escreveu o poeta/músico: “há tempos são os jovens que adoecem”.
Com base nesses estudos, faz-se necessária urgência falarmos claramente de saúde mental na infância e adolescência, numa perspectiva preventiva ao suicídio. O jovem sequestrador de ônibus na Ponte Rio-Niterói, levava um livro de Bukowski que traz uma reflexão sobre o sofrimento psíquico e claro que seu gesto foi um tipo de suicídio:
‘Nunca dirijo meu carro por cima de uma ponte sem pensar em suicídio. Quero dizer, não fico pensando nisso. Mas passa pela minha cabeça: suicídio’, diz trecho de ‘O capitão’. Minha missão é esta: ajudar os jovens a atravessarem a ponte Golden Gate de suas vidas, sem desejar a morte.

Por que falar sobre o suicídio é a melhor opção?

Há décadas não se podia falar sobre suicídio, pois compreendiam que ao falar de suicídio poderia causar o chamado "Efeito Werther" - uma referência a abra de Goethe "Os sofrimentos do jovem Werther", publicado em 1774 na Alemanha, e conta a história de um jovem que optou pelo autoextermínio após uma decepção amorosa.
Ocorre que em 2004, um cineasta chamado Eric Steel chutou o balde e resolveu que não se prenderia às convenções impostas pelo coletivo. Seu primeiro trabalho como diretor foi A Ponte, um documentário sobre o monumento público que mais registrou casos de suicídio na história: a ponte Golden Gate, cartão postal de San Francisco, uma das 7 maravilhas do mundo moderno. Desde que a ponte foi inaugurada em 1937, mais de 1,4 mil pessoas já se mataram pulando dela. Em 2013, foi registrado o recorde de 46 suicídios. Eric Steel então deixou câmeras escondidas ao longo da ponte e por um ano fez o registro de dezenas de autoextermínios. Revelando com isso, a urgente importância de se falar claramente sobre o assunto.
Atualmente, estudos mostram que perguntar a indivíduos em risco se eles são suicidas não aumentam suicídios ou pensamentos suicidas. De fato, estudos sugerem o contrário: descobertas sugerem reconhecer e falar sobre suicídio pode de fato reduzir em vez de aumentar  ideação suicida.

Mais de 50% dos adolescentes trans tentam o suicídio

Nós que trabalhamos com prevenção ao suicídio estamos muito preocupados com a disseminação do ódio às minorias. Mais de 50% dos adolescentes trans tentam o suicídio, indica estudo feito ao longo de três anos pelo professor Russell B. Toomey, da Universidade do Arizona-Tucson (EUA). 51% dos adolescentes que se identificaram como transgênero relataram pelo menos uma tentativa de suicídio. O psicólogo Tiago Zortea - Suicidologista - atualmente uma das referências internacionais em Prevenção ao suicídio, afirma que "as experiências de estigma e discriminação vividas pelas pessoas da comunidade LGBT se mostraram significativamente associadas a todos os três aspectos da tendência suicida. Tais experiências incluíram fatores de estigma na escola (por exemplo, professores não se manifestando contra o preconceito, lições negativas sobre minorias sexuais), reações negativas de familiares e amigos quanto ao processo de revelarem-se LGBT, e assédio ou experiências criminosas especificamente voltadas à comunidade LGBT. 

Por que os suicidologistas são contra a posse de armas?

De acordo com uma recente revisão de 31 artigos científicos sobre suicídio, mais de 90% das pessoas que se mataram tinham algum transtorno mental como depressão, esquizofrenia, transtorno bipolar e dependência de álcool ou outras drogas. No Brasil, porém, persiste a falta de políticas públicas para prevenção do suicídio, com o agravo da passagem do tempo e do aumento populacional.
Com a posse de armas liberada no Brasil, os estudos indicam que teremos mais suicídios, mais mortes por acidentes, mais feminicídios... Nos EUA, a maioria das mortes por armas de fogo acontece dessa forma – incríveis 64,2% dos 37.200 óbitos em 2016. No Brasil, essa porcentagem é de 4%, ou 1.728 mortes. Se os mesmos 4% da população do Brasil tiver uma arma (o que representaria 6 milhões de novas armas em casa), o total de pessoas que tiram a própria vida todo ano, proporcionalmente, passaria dos 16 mil. É como se 7 Boeings lotados caíssem todo mês.
Estes dados foram analisado por Thomas V. ­Conti, pesquisador da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Entre 2013 e 2017, ele traduziu 48 resumos de pesquisas sobre armamentos para cravar: 90% delas são taxativas ao dizer que um maior número de armas aumenta o número de crimes letais e suicídios. (Fonte: Super Interessante)

Reduzir o suicídio é um desafio coletivo que precisa ser colocado em debate. “Nossa resposta não pode ser o silêncio. Nossas chances de chegar às pessoas que precisam de ajuda dependem da visibilidade”, fala do psiquiatra Humberto Corrêa no artigo 'Suicídio aumenta no Brasil, mas isso poderia ser evitado' - publicado na revista Planeta (edição 421, Outubro de 2007).
(Excerto de "Jovem, não morra na Golden Gate", artigo (prelo) de pesquisas teóricas e de campo, da romancista e psicopedagoga Clara Dawn, que tem se dedicado ao assunto desde 2014).

Algumas fontes pesquisas:
0

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Adolescência: a fase mais difícil do cérebro humano


Existir é um processo mental doloroso, principalmente entre os 12 e 27 anos quando o cérebro experimenta grande transições. É como ligar um aparelho elétrico de 110V numa tomada de 220V: ao ligar um aparelho 110V em uma tomada de 220V, o aparelho receberá o dobro da tensão elétrica que necessita, e como consequência entrará em colapso. E é durante esse terrível estágio da vida que fazemos os mais angustiantes malabares entre reticências, exclamações e interrogações, constituindo assim, a adolescência como a fase mais difícil da existência humana, pois a não compressão dessa acentuada ebulição mental em si mesmos, faz com que muitos jovens optam pelo ponto final, tomando assim uma 'pseudo solução' definitiva para um problema temporário.

O cérebro, este organismo incrível,  precisa ser estudado, compreendido e tratado como se trata todo o resto do corpo. Por isso, precisamos falar com nossos adolescentes sobre o que está acontecendo dentro da sua cabeça e que isso é uma evolução natural de seu cérebro. É a mais longa e dolorosa fase de transformação de sua vida. É um ciclo quase insuportável? Sim, é verdade, mas quando os adultos o compreende e aceita-o como o ciclo mais difícil de se fechar na vida e passam a falar sobre ele com seus filhos adolescentes, incentivando-os a dizerem o que sente, a não se isolarem na dor, a verbalizarem suas dores de existir e se permitirem à ajuda de  profissionais da saúde mental, ou de grupos de apoio, o afeto da família, dos amigos, de voluntários; o suicídio pode ser evitado.

Entretanto, há situações em que nenhuma dessas coisas adiantam. Porque não existe uma única razão para que alguém opte pela automorte. O suícidio é o resultado de uma rede de fatores biológicos, genêticos, psicológicos e socioculturais e é por isso que não são só os adolescentes que matam, mas a incidência é 60% maior na fase de transição do cérebro da adolescência para a vida adulta.

Tenho observado em muitas das pessoas que pedem ajuda, que elas não suportam em si mesmas a ideia de se autoajudarem; elas não têm misericórdia de si mesmas; não têm boa vontade com o seu processo de autocura... E elas não têm culpa de se sentirem assim, pois é como se estivessem no fundo de um poço aguardando por alguém que lhes jogue uma corda, mas quando isso acontece, só o fato de terem que laçar a corda em volta de si e darem o sinal para serem puxadas, é um esforço doloroso demais para elas. Porque quando se está no fundo do poço, a pessoa precisa ser salva de si mesma. Jogar a corda não adiantará. É preciso descer onde ela está e só depois de ouvi-la e compreender suas lágrimas, você poderá se agarrar a ela e levá-la para fora - para longe de onde ela estava - para que ela enfim comece a olhar para si mesma fora do poço e comece a acreditar que há uma existência com um sentido real fora do poço. Na prática isso quer dizer que não adiantará, coisa alguma, você dar conselhos, dar dicas de como sair daquele momento terrível. Só o que adianta, é ouvi-la, é compreendê-la, é abraçá-la, é demonstrar praticando que você tem tempo para ouvi-la.

Clara Dawn
#setembroamarelo
#suicídiofalaréamelhorsolu
#ligue188
0

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Para Quando Você Estiver Cansado De Tudo E De Todos

Todos nós, as vezes, nos sentimos cansados em todos os sentidos da vida: físico, mental, emocional. Nenhum lugar é bom o bastante, nenhum momento desperta felicidade capaz de amenizar o nosso vazio interior e a gente passa a viver sorrindo por fora e com um sentimento de “sei lá o quê” por dentro. Nos sentimos cansados de pessoas também: das pegajosas, das falantes, das dissimuladas , das mentirosas, das chatas e até das boazinhas demais.

A fase da caixinha

Você talvez não saiba ou ainda não tenha pensado a respeito de o nosso cérebro, é um “computador” que de tempos em tempos faz o seu backup (sua cópia de segurança) com o intuito de fazer uma atualização de todos os seus programas operacionais. Nesse momento ele não fará uma varredura para deletar o conteúdo irrelevante e/ou deletar vírus, ele só fará sua cópia de segurança: tudo, tudo mesmo, será amontoado numa caixa diminuta demais para tanto. Assim, tudo que você é, sente, pensa e realiza, vai se amontoar nessa caixinha.

O livro “O cérebro que se transforma” de Norman Doidge, psiquiatra, psicanalista e pesquisador do Columbia University Center for Psychoanalytic Training, mostra a mais recente novidade em relação ao cérebro humano, que ele se modifica sem o uso de cirurgias ou medicamentos, ou seja, o cérebro se automodifica: é um órgão plástico, vivo e pode de fato transformar as suas próprias estruturas e funções, mesmo em idades avançadas.

Cansados de tudo e de todos

Segundo Norman Doidge, as autotransformações do cérebro fazem-nos compreender como os sentimentos, o sexo – ou a falta dele, as frustrações, os relacionamentos, o aprendizado, os vícios, a cultura, as tecnologias, as vozes – ou o silêncio, as influências externas, a fenomenologia social… são capazes de deixar-nos cansados de tudo e de todos.

Norman Doidge destaca ainda que a automodificação, a mesma que faz toda a bagunça entre discurso, ação e sentimentos, deixando-nos vulneráveis e à mercê do cansaço integral; também é ela que provê avançados recursos capazes de ressignificar nossas vidas.

A palavra é “Ressignificar”

Ressifnificar, segundo o dicionário online,  é a ação de atribuir um novo significado a algo ou alguém. Lembra que falamos que no instante em que o cérebro faz o seu backup, ele não faz uma varredura nas coisas irrelevantes e ruins, ele coloca tudo dentro da caixinha e por isso que a gente fica confuso, sem ação e com tédio de todas as coisas e até das pessoas?

A primeira coisa que você deve pensar quando se encontrar nessa situação é de que é uma fase e você precisa vivenciá-la com responsabilidade. Vivenciá-la, não ignorá-las, não fugir dela, não depreciar-se, não com autopiedade ou vitimização; vivenciá-la, como disse, com responsabilidade e a decisão de quem sabe que tudo na vida é obra de um momento; que existir é um processo mental doloroso e que jamais se deve julgar o comportamento de alguém por não saber em qual momento de transformação o seu cérebro está passando: todos têm o seu “autoprazo” para agir ou desistir.

Como fazer a varredura mental

Martin Seligman, em seu livro Otimismo Aprendido, sugere exercícios mentais para tornar o  dia a dia positivo, vivaz e, especialmente, bem humorado: uma vez que também, o humor é o traço mais visível quando se trata de revelar se alguém está feliz ou não.

O exercício é baseado em ressignificar sentimentos, fatos, palavras e pensamentos, de forma que consigamos entender os acontecimentos de uma maneira menos auto-defletiva, auto-punitiva e estigmatizante. É um exercício focado em aumentar e desenvolver a capacidade de resiliência e sobretudo da vontade de viver.

Um dos elementos chave da pessoa resiliente é a habilidade de desenvolver novas perspectivas para interpretar os acontecimentos negativos e dar a eles um novo significado ou sentido.


Os exercícios mentais – para os instantes em que nos encontramos cansados de tudo e de todos – são:

Primeiro: silêncio e solidão afim de fazer a varredura nos assuntos e sentimentos irrelevantes. Nesse exercício é permitido expor e verbalizar o que pensa e sente – fale consigo mesmo – com o Seu Poder Superior – diga tudo, chore e até xingue se sentir vontade, mas depois siga para o exercício seguinte. Não se deve jamais estacionar nesse primeiro exercício,  lembre-se, é uma fase a ser vivenciada com responsabilidade.

Segundo: exaustão física e água. Isso mesmo, tome muita água e permita que o seu corpo alcance uma especie de exaustão: caminhar rápido, correr, malhar, lutar, dançar… não importa, a exaustão física e a hidratação – unidas assim – são fontes incontestes de saúdes físicas, mentais e emocionais – por várias razões químicas/físicas que não focaremos neste artigo.

Terceiro: a prática diária da serenidade, do pensamento positivo. Na medida em que focamos mais nas avaliações positivas das situações podemos perceber e sentir que temos algum controle sobre nós e nossa resiliência aumenta. Portanto, mesmo se o seu estilo hoje é ser um pensador pessimista, sugiro a prática da serenidade como uma habilidade para um estilo vida otimista, tolerante, vivaz e energético. Relembrando sempre da transitória circunstancial dos momentos e da automodificação de seu cérebro.

Texto de Clara Dawn - publicado originalmente no Portal Raízes
0

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Aos que esperam por um amor

As pessoas estão sempre se queixando de que não encontram o amor (chamam-no pessoa certa, cara metade, tampa do balaio…), mas quando surge à oportunidade de vivenciá-lo, tratam-no com relapso. Fazem dele um tipo de amor camaleão. Aquele que precisa adaptar às sobras do tempo. Aquele que sobrevive de lamber as migalhas que lhe são oferecidas. Ora, como pode algo bom crescer disso? Vão espremendo o amor nas raras horas livres, entre um ‘depois e outro depois’.

Um amor de verdade não pode ser espremido dentro da realidade da vida. É a realidade da vida que tem se encaixar nas sobras de tempo do amor. A maioria de nós não sabe amar. Quer, mas quando encontra um amor, deixa-o sempre à mercê das sobras de tempo da realidade. Parece-me tão real o fato de que, o que fazemos por dinheiro é muito mais relevante do que o que fazemos por amor. Dedicamos nossas vidas integrais trabalhando, fazendo coisas de que não gostamos para ganhar um dinheiro que vamos gastar com diversas matérias das quais não precisamos realmente.

Tolo isso, né? Pois desta vida só levaremos o amor doado/recebido; cativo/cativado: sintonia, cumplicidade, afeto, doação…Sem magia – para mim – não há relacionamento. A quinze metros do arco-íris – disse Manoel de Barros – o sol é cheiroso. Se o desencanto daqueles que não sabem amar, invade o peito, vísceras e emoções, acontecer com a minha relação afetiva, eu deito a lona e sigo a estrada rumo ao arco-íris. Pois um relacionamento só vale a pena ser vivido se for intenso de afetividade, simples, divertido, recíproco… Do tipo pingue-pongue. Somos mágicos e todo o encanto mútuo que desejarmos, temos o poder de produzi-lo.
Acolá e aqui, sempre há arco-íris cheios de sóis cheirosos. E nem precisa forçar alguém a sê-lo. Só precisa sintonizar. A sua sintonia sempre comungará com a frequência de outrem. Você não precisa mudar quem você é para se adequar ao jeito do outro. Por favor, jamais faça isso. Do contrário adoecerá suas emoções e sua mente tentando em vão ser aquilo que não é. Ao contrário do que dizem, os opostos não se atraem, eles se destroem. As energias se atraem. E sempre haverá alguém cuja natureza vital é compatível com a sua. Siga, vibre sua mente, coração e vontade nesta frequência e o sol ficará bem cheiroso num repente.

A gente fica esperando para vivenciar a afetividade depois da crise, depois da fase difícil, depois que terminar a maratona de projetos, depois da viagem a trabalho, depois da promoção, das eleições, da reforma da casa, da separação, da aposentadoria… Depois… E a vivência prazerosa do amor não chega nunca, porque a vivência do amor não está no futuro, mas só no agora. E o amor não pode esperar que tudo se resolva, porque isso jamais acontecerá. O amor só precisa acontecer aqui e agora. Basta que você se permita vivenciá-lo. Mas o amor nunca será sua cara metade, a tampa do seu balaio, a aquela pessoa certa… Porque o amor genuíno precisa de pessoas completas: dois inteiros – não um que dependa do outro para ser feliz.
 
Dois inteiros felizes e completos numa aliança de entrega mútua à vivência de uma história afetiva saudável. Em suma, o amor só exige serenidade para acontecer com plenitude e graça. Pratique a serenidade e o amor vai acontecer em fim. Serenidade é aquela coisa que abala as mais rígidas estruturas mentais e emocionais. A serenidade não é feita de egoísmo, nem de narcisismo, é o saber continuado do amor, é a afirmação de uma magia praticável, a atenção desperta aos morangos que surgem à beira dos abismos. A serenidade é o segredo do riso fácil, faz bem as saúdes física, mental e emocional. A serenidade embeleza, vitaliza e perfuma. É a verdadeira substância do amor. Quanto a mim? Estou serena como um Buda.


Crônica de Clara Dawn – Publicada originalmente no jornal Diário da Manhã – DMRevista – em 23 de setembro de 2017 – Goiânia – Goiás.

Leia mais de Clara Dawn:

0

terça-feira, 6 de março de 2018

Mudar o que se é para se adequar ao outro não é altruísmo, é autodestruição


Mudar o que se é para se adequar ao outro não é altruísmo, é autodestruição. Amar alguém demasiadamente, ao ponto de fazer infindas concessões para satisfação do outro em detrimento da própria satisfação, é falta de amor próprio.

É engolir a própria vida que lhe matará de dentro para fora: primeiro o esôfago, o estômago, o intestino e depois os rins e o coração. E você não compreenderá por que mesmo tendo um biorritmo saudável, ficou doente. Mas é sua vida, seus sonhos, seus anseios, suas perspectivas, seu amor próprio, sua autoestima, seu eu autêntico… que estão fazendo um “coquetel molotov” dentro de você. E tenha certeza, uma hora ou outra, vai explodir de um jeito catastrófico.

Amar verdadeiramente, é deixar livre. É não cobrar aquilo que deveria ser espontâneo. É claro que não existem relacionamentos perfeitos. Se alguém busca por uma união perfeita, colorida, divertida, onde tudo se encaixa harmoniosamente… é melhor comprar um jogo de lego.

Relacionamento é feito de duas pessoas é uma construção em comum acordo – uma via de mão dupla. Porque reciprocidade não deve ser uma obrigação. Antes é um fator de sintonia. Se não acontece num instante, não acontecerá numa vida inteira juntos.

Todavia você jamais conseguirá construir uma relação sadia e harmoniosa se tentar – em vão – unir pessoas de energias opostas. Sendo assim, lute contra a vontade insana de mudar o outro. A sincronia – nos ensinou Carl Jung – é a única forma dos pares encontrarem as felicidades fluídas de ambos.


Conheço gente que sonhou com uma cobertura e se casou com o primeiro andar, depois passou a vida inteira tentando transformar o primeiro andar em cobertura e quando enfim conseguiu, não deixou a cobertura esquecer que um dia foi primeiro andar. É claro que isso é só uma metáfora cabotina para a nossa compreensão de que energias opostas não se atraem, se destroem. Não tente mudar o outro, não se perca de si mesmo para se adequar ao outro. Decida ser quem você é e vibre em sua própria sintonia. Creia, alguém com a mesma energia vai lhe encontrar.

Mesmo porque – “in natura” – a gente não deixa de ser aquilo que é. Num tempo agimos de modo adaptável, e talvez inconsciente, por receio de perder o objeto de desejo. Aí chegamos a acreditar que mudamos mesmo. Mas, num dia qualquer, o verdadeiro eu explode e a gente volta a cometer as mesmíssimas falhas de convivência.

Porque o homem tem por natureza a incompletude. Já profetizou Malaquias que os olhos do homem jamais se fartam ainda que creiam que fartos estão. Porque somos bichos instintivos, porém escravizados por estigmas da civilidade. Se tirar do homem tudo o que as civilizações lhe emprestam em termos de convivência social, não haveria progressos, deveras, e tampouco escravidões.

É maravilhoso ter para quem voltar no final do dia. Mas lembre-se, só se for para os abraços do seu maior fã. É comum desejarmos a companhia de alguém, a afetividade bilateral. Quem não quer? Eu então, ô! Eu estou sempre com fome de afeto. Sofro por não ser correspondida à altura quando insisto em unir energias opostas. Aí fico com os olhinhos lagrimejados de um não sei o quê – do tipo – poxa vida!

A gente recebe o amor que julga merecer. Eu aprendi praticando que é melhor viver sozinha e se sentir um sucesso ainda não encontrado, do que numa duo vivência que lhe induz a crer que você é um fracasso em termos gerais.

Texto de Clara Dawn
0

sábado, 10 de junho de 2017

O meu nome é mais infeliz do que eu

Uma viúva não é uma mulher solteira. Uma viúva não é divorciada. Uma viúva é mulher casada com um marido morto. Há, por estas bandas, uma igrejinha tão pequeninha  (redundância, eu sei, não me importo), pois mirando-a através da minha janela sinto paz tamanha que vontade eu tenho de ficar miúda só para parecer-me com ela. Às vezes, mas só às vezes, quando fico em silêncio, às seis da tarde, eu ouço o sino tocar melancólico... Ele soa a sua sina. Soa frígido sino! Soa a sua sina. Sua sina. Sua, sua...

É verdade que o meu coração permanece como se tivesse engolido um guarda-chuva aberto e eu sinto-me tão solitária quanto um pardal na chuva por ter que dizer adeus tão precocemente aos dois homens (marido e filho) que mais amei na Terra. Mas esta realidade é o  capítulo atual da minha vida e é um clímax... Toda história depois do clímax toca uma música suave. E depois há uma estrada longa fluída por essa canção energicamente triste... E a estrada termina numa encruzilhada e a música para e ainda não é o fim, basta decidir qual caminho seguir e aí uma nova música começa a tocar. Outras paisagens se formam e já não se é a mesma pessoa de antes e ainda que se lembre de quem era, este "era" não pode mais sentir aquilo que tanto lhe fez sofrer.

Recordo-me de sentir o perfume fabuloso das rosas que se abriram só porque eu tive boa vontade em regar suas sementes. Só porque eu não as deixei sozinhas diante dos escaravelhos e também das chuvas de granizo... Só porque eu fui teimosa o bastante para aguentar seus espinhos e aceitar que rosas, por estarem vivas, podem num instante, também morrer. Somente possuímos o que conseguimos nos desapegar. Pois somos escravos daquilo que não deixamos ir. Tenho comigo que deixar ir é o único modo de amar verdadeiramente. 

Ser viúva aos quarenta anos e perder um filho numa morte trágica foi a minha sina. E por que não comigo? Deixo-os ir, todos os dias, desde então.

Mas foi para o vosso desencanto que eu escrevi esta crônica. Para que saibam que apesar de eu ser aquela a quem chamam de triste sem o ser; o meu nome é mais infeliz do que eu. Sou – e é verdade – aquela que ás vezes chora com infindas razões para tal, mas eu não quero ser lembrada como se fosse uma fortaleza rodeada por placas de advertência. Porque as minhas crenças, o meu coração, o meu estado de espírito e a minha essência, estão em constante promiscuidade com a minha verve e qualquer pessoa que deseja conectar-se comigo, precisa dialogar primeiro com o que eu escrevo. Sou uma romancista. 

Minha prosa fictícia é a minha existência feliz.  Então, olhem além do que está à mostra e não façam da minha existência feliz  uma biblioteca vazia de leitores, com Charles Bukowski arranhando a escrivaninha. Por isso arquivem o primeiro parágrafo desta crônica, pois é o soar de um novo capitulo para um novo livro. Arquivem o primeiro parágrafo e todo o resto, podem apagar.




0

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Clara Dawn e o assombroso 'gran finale' em O Cortador de Hóstias - Por João Cezar Pierobom


Assombro. É o gran finale. Um tutti em que, na música, todas as vozes, ou linhas melódicas, se ajuntam, ou todos os instrumentos entram para que, na cadência final, tudo se acabe e o silêncio nos toma, como que desprevenidos, com a respiração retida. Mas que, nesse livro de Clara Dawn, nesse O Cortador de Hóstias, onde o profano submete o sagrado, parece não ter fim, como o acordar de um sonho que nem é sonho e nem é realidade. E fica-se, sentado no leito, a indagar para a escuridão, o que foi fantasia e o que foi a vida mesma na sua concretude cruel. Aparência ou verdade? Vai se saber...

A obra mais se assemelha a uma fuga, em moto perpetuo. Seria nos moldes da Arte da Fuga de Bach? Será? Dúvidas não nos vão faltar, como nos intrincados contrapontísticos bachianos que, geniais, tiram beleza da complexidade, ou de um aparente tumulto. E destarte vai o narrador, como sujeito elíptico, desenvolvendo a narrativa em ‘primeiras pessoas’, como se fossem linhas melódicas unindo-se e se separando, tendo ao fundo uma ‘terceira pessoa’, o narrador que, vez por outra, como uma espécie de corifeu, ‘pula para dentro do drama’. Entretanto, não vai passar despercebido ao leitor atento que uma das ‘primeiras pessoas’ é justamente o cortador de hóstias. E a sua história é uma espécie de baixo continuo, um pedal de órgão, aquilo que em harmonia dá substância aos harmônios, sons que são ‘irmãos’ ou ‘primos’ de dados sons fundamentais. E isso, por certo, funciona, como uma espécie de leitmotiv, motivo central, que trabalha dando unidade à obra. A voz do cortador de hóstias vai como que costurando a trama polifônica do conjunto de vozes em ‘primeiras pessoas’.

Não é fácil escrever um romance, ou conto, em ‘primeira pessoa’. Essa forma traz, por vezes, dificuldades. Como tratar sentimentos, ou impressões, de ‘outros’, que não o narrador, em ‘primeira pessoa’? Mas Clara Dawn resolveu o problema narrando em diversas ‘primeiras pessoas’. O que contribuiu, como forma polifônica, para a densidade da exposição.

Balzac e Stendhal, quando precipitam a trama dramática, “não param nem para colher uma florzinha, na beira do caminho”. Não há pausa possível. O fôlego é retido. Não se olha para trás, nem para admirar a paisagem, ou para se ver longe o horizonte. Nada. Os passos são imperativos. A imagem não é minha. Confesso que, uma pena, perdi a referência. Eles vão como os rios tumultuosos que descem as montanhas, levando tudo de roldão pela frente. Balzac o faz geralmente após os seus coups de théatre, as reviravoltas que mudam o curso, o ritmo da narrativa e... os destinos das personagens.

E em meio a esses destinos está a condição da mulher, tema que funciona como uma espécie de argamassa que cola os lindos pedaços de vidros multicolores de um vitral caleidoscópico, que joga a sua luz, que vem do sol, nos espaços escuros das catedrais. Partes soltas de cores que são como que unidas pela beleza, ou amor, que  derramam o seu calor sobre lajes cinzentas e frias. Ali está a brutal desigualdade que ainda imperava, entre nós, mesmo nos princípios do século XX. Mulheres vendidas por pais. Às vezes por eles abandonadas. Qual a diferença? Jogadas no mundo da existência. E aí? O que lhes restaria senão o corpo frágil? Um corpo seu? Será? Para se dizer o menos. Por séculos, as mulheres, inclusive as belas, por mais razões ainda, foram usadas para selarem alianças de dinastias entre reis coroados e senhores da guerra. Interesses de Estado. Que o diga Henrique VIII da Inglaterra. Uma democrática Inglaterra que somente em 1918 iria reconhecer o direito das mulheres ao voto. Por aqui, isso se daria, não muito mais tarde, em 1932. Se o mundo era ruim, que o digam os homens...

O Cortador de Hóstias conta a história, algo trágico, de uma dessas mulheres. Cecíla Meireles dizia que cantava porque existia e porque era poeta. Cora Coralina cantava dizendo que os seus versos tinham o peso do machado. Nhanhá do Couto encheu os nossos gerais e veredas com a música do seu piano francês trazido para Goiás em carro de bois. Belkiss Spencière e Glacy Antunes continuaram a sua obra, ensinando os jovens, e inundando a nossa Goiânia com a música dos grandes mestres. Aqui... aqui mesmo, nas quebradas da Grande Floresta. Elas deram o seu recado. O de Clara Dawn também está dado.

Mas, e o assombro? E o gran finaleO assombro aparece após o penúltimo, e grandioso, coup de théatre. O rio tempestuoso da narrativa leva margens, pedras, matacões e troncos nos seus rodamoinhos. E, num repente, estamos extáticos como no fim do Grande Sertão – Veredas de Guimarães Rosa, ou do fecho de O Tronco de Bernardo Elis. A respiração está retida. Assim mesmo como ficavam os assistentes de Romeu e Julieta, e de Otelo, de Shakespeare, no Globe Theatre, em Londres. Descobrimos, então, a verdade do que dissera o desesperado e impotente Marke, em Tristão e Isolda, de Wagner: “o mal anda mais rápido do que o bem”.


No último golpe de teatro, um verdadeiro deus ex-machina, que parece, não descer dos céus, mas, provir do inferno, na voz do corifeu, não sabemos se estamos diante do sonho, da fantasia, da loucura, da quimera, ou da nua e seca realidade. Onde estariam as fronteiras disso tudo? E o tempo? Qual seria o tempo? As aparências tomam conta do real? Elas seriam a verdade? Mestre de palco! Pano de boca!


O cortador de hóstias - romance de Clara Dawn está disponível aqui: http://www.portalraizes.com/produtos/
0