PESO+PARA+PAPEL - Peso-de-papel

Deixei que palavras surgissem como espectros sob as pontas dos meus dedos no tamborilar deste texto. Em manhãs sem sol, não importa o que eu faça – nada me inspira – um peso-de-papel é, apenas, pedra e eu fico irremediavelmente vazia. O violino está inerte num canto da inspiração – a música não flui. Toca, violino: entoa acordes de Bach… Continua inerte. A figueira ficou opaca esta manhã, pois os pássaros-pretos também não apareceram para cantar enquanto saboreiam figos maduros, o vento ruidoso chicoteia com veemência as folhas dos buritis, cantando um chiado como de uma frequência de rádio, mal sintonizada.
Os cães ladram de muito longe numa ladainha tosca, por causa do rumor de uma motosserra. Ela está berrando histérica, enquanto derruba a Sibipuruna amarelinha. Barulho terrível é o da motosserra zunindo, como um besouro maluco, dissonando a sinfonia do campo. Ah, a sinfonia do campo! Algo que sempre me inspira, mas não nesta manhã “desensolarada”, em que a obrigação da escrita semanal é um peso-de-papel a me subjugar espólios de um fado que não me pertence – mesmo que comigo tenha nascido.
Levo comigo esse peso-de-papel. Levo comigo um peso-de-papel, ou será que o que eu levo mesmo é o peso do papel? Desse meu papel no enredo da vida… Mas, qual?, o enredo da vida é espetacular: aqui, agora, neste momento há cascas de cigarras nas grades da janela e o vento as balança como se fossem vestidos de voile no varal. Sinto arder às narinas no afã de um choro abstrato. Coisa que me ocorre quando defronto com um soberbo encantamento. Vislumbro nessa hora a sensacional inspeção de um espetáculo fenomenal: cascas secas de cigarras – roupinhas transparentes de uma vida ínfima – de uma vivência sonora – até a exaustão – até a morte. Ah, eu adoraria passar pela vida numa sonoridade licenciosa e em branca roupagem adormecer enfim.
Enfim, o vento retira as cascas de cigarras das grades e as sopra para dentro da casa. Um soprar fortuito para dentro. Um sopro divino a dar vida às cascas de cigarras; a folhear os papeis que jaziam sobre a mesa e movendo com simpática selvageria o peso-de-papel. Oh, céus, eu poderia jurar que o peso-de-papel era o suficiente para manter os meus papeis em ordem – palavras justificadas num retângulo perfeito – tudo em ordem. Mas o vento é como as palavras: ambos não conhecem o curso de um dia bom ou ruim. A cada vendaval e a cada palavra escrita, algo permanece intocado, algo fica inerte nos vãos do pensamento e das coisas – algo como um centro inteiro em si – algo “unimúltiplo” e fechado – um peso-de-papel que aprisiona papeis e algumas palavras – Algumas. Pois as outras vão brincar com o vento.  
Há neste texto um monte de palavras, há neste texto tantos símbolos, há neste texto um hermetismo tacanho, há um peso-de-papel a atabalhoar os meus sentidos. Há tantas vozes… tantas, tantas que nem mesmo sei distingui-las, há regras loucas de uma gramática sem freios, há o paradoxo da manhã sem sol que não me inspira, mas me inspira tanto… Há, neste texto, eu em desacordo com tudo que nele há.
Em desacordo com todas as palavras. Porque as palavras, ora me inspiram com uma mão, ora me esvaziam com a outra. As palavras dão tudo de si sem nada perder. As palavras estão impregnadas na minha vida como um inseto envolto em um âmbar. Mas são tantos âmbares por aí, disfarçados em pesos-de-papel – palavras aprisionadas num simulacro descarado – palavras sem ter porquê. Ah, as palavras! As palavras são as muletas de um velhinho que mora na minha personalidade e que pensa que suas muletas são acordes de violino – quando a música toca – o velho se alegra e eu me transformo em verso e prosa.
(Crônica publicada no jornal Diário da Manhã – DM-Revista – Goiânia – Goiás em 08 de outubro de 2012).
cleardot - Peso-de-papel