Narcolepsia é um distúrbio do sono caracterizado por sonolência excessiva durante o dia, mesmo quando a pessoa dormiu bem à noite. Os ataques de sono podem ocorrer a qualquer momento e em situações inusitadas: em pé dentro de um ônibus, durante a consulta médica, dirigindo o automóvel, ou operando máquinas, por exemplo.

O sono normal começa com o desligamento do controle muscular. Nessa fase, é um sono de ondas lentas. Cerca de hora e meia depois, a pessoa entra na fase do sono REM, na qual a atividade do cérebro é intensa e os olhos se movimentam. Os portadores de narcolepsia saltam a etapa do sono de ondas lentas e entram direto, subitamente, na de sono REM.

Diagnóstico

O seu médico pode fazer um diagnóstico preliminar de narcolepsia com base na sonolência excessiva durante o dia e na perda repentina de tônus ​​muscular (cataplexia). Após um diagnóstico inicial, seu médico pode encaminhá-lo a um especialista em sono para avaliação posterior.

O diagnóstico formal requer passar a noite em um centro de sono para uma análise profunda do sono por especialistas em sono. Os métodos para diagnosticar a narcolepsia e determinar sua gravidade incluem:

  • História do sono
  • Registros de sono
  • Polissonografia  – é um exames não invasivo que mede a atividade respiratória, muscular e cerebral (além de outros parâmetros) durante o sono. As informações são coletadas por sensores espalhados pelo corpo e analisadas por computadores que transformam os dados em padrões que descrevem em detalhes como é o descanso do indivíduo.
  • Teste de latência múltipla do sono – O teste de Múltiplas Latências do Sono consiste em cinco registros polissonográficos durante o dia. A cada duas horas o paciente é solicitado a deitar-se em um ambiente escuro e silencioso e tentar adormecer pelo período de 20 minutos após o qual ele será acordado.

Esses testes também podem ajudar os médicos a descartar outras possíveis causas de seus sinais e sintomas. Outros distúrbios do sono, como privação crônica do sono, uso de medicamentos sedativos e apneia do sono, podem causar sonolência diurna excessiva.

Tratamento

Não há cura para a narcolepsia, mas medicamentos e modificações no estilo de vida podem ajudá-lo a gerenciar os sintomas. Você pode se beneficiar destas etapas:

  • Atenha-se a uma programação. Durma e acorde no mesmo horário todos os dias, inclusive nos finais de semana.
  • Tire cochilos. Programe sonecas curtas em intervalos regulares durante o dia. Cochilos de 20 minutos em horários estratégicos durante o dia podem ser refrescantes e reduzir a sonolência por uma a três horas. Algumas pessoas podem precisar de cochilos mais longos.
  • Evite nicotina e álcool. O uso dessas substâncias, principalmente à noite, pode piorar seus sinais e sintomas.
  • Faça exercícios regularmente. O exercício moderado e regular pelo menos quatro a cinco horas antes da hora de dormir pode ajudá-lo a se sentir mais acordado durante o dia e a dormir melhor à noite.

Calculador da Escala de Sonolência Epworth

Qual a probabilidade de você cochilar ou adormecer nas situações abaixo – e não
apenas sentir-se cansado?

Este questionário refere-se ao seu modo de vida habitual nos últimos tempos.
Mesmo que não tenha feito passado por alguma dessas situações ultimamente,
tente imaginar como é que elas o afetariam.

Use a escala que se segue para escolher o número mais apropriado para cada situação:
0 – nenhuma probabilidade de pegar no sono;
1 – ligeira probabilidade de pegar no sono;
2 – moderada probabilidade de pegar no sono;
3 – forte probabilidade de pegar no sono.

Escala de Epworth - Narcolepsia: dormir a noite inteira e ainda ter sonolência durante o dia
Pontuação de 0 a 9 – considerado normal.
Pontuação de 10 a 24 – Procure um médico você pode ter distúrbio do sono.

Pesquisa organizada por Clara Dawn – com base nas fontes: Escala de pesquisa do sono Epworth; Narcolepsy; WebMD: Narcolepsia por Drauzio Varella.

Capa:Lonneke Engel Juergen Teller|Divulgação

COMENTÁRIOS




Clara Dawn
Escritora, psicanalista, especialista em "Prevenção aos transtornos mentais e ao suicídio na adolescência" e autora de 7 livros publicados.