Já reparou que no outono tudo fica um pouco laranja e meio apressado? Como se o tempo não pudesse perder tempo. É cedo demais para a primavera. E tarde demais para verão. Tão perto só o inverno, onde o sorriso se revelará congelado na fotografia. Mas não neste outono. Não neste outono de 2020. Este outono será eterno em nossas lembranças.

Era outono de 2020 e todas as pessoas estavam à mercê da sorte. O mundo inteiro se encontrava virulento. A ordem mundial era para que todos ficassem em suas casas. As cidades ficaram desertas, fecharam as lojas, as fábricas, os museus, as feiras, as escolas, os shoppings e os parques…

Era outono de 2020 e os adultos precisaram manter as crianças entretidas dentro de casa, e longe de seus avós; os universitários passaram a estudar em confinamento; as pessoas em franco desespero esvaziaram as prateleiras dos supermercados e se dividiram entre os que acreditaram nas medidas e os que delas faziam escárnio.

Era outono de 2020: nas ruas as quaresmeiras estavam mais exuberantes do que nunca e as abelhas desenharam círculos no vento; os cães abandonados, amiúdes percorriam a praça, mas não havia quem lhes dessem de comer; de fome e de desprezo também pereceram moradores em situação de rua; de fome – de peste – e de injustiça, pereceram os trabalhadores.

Era outono de 2020: cedo não haveria mais vagas nos hospitais e todos os dias milhares de pessoas continuavam a adoecer. Acabaram as reuniões e as refeições em famílias, estas, assistiam de suas janelas, os caminhões que levavam os seus mortos, que sequer poderiam ser velados; o medo se tornou real, crescente; a esperança debalde sempre no acréscimo da vítimas. E a cada amanhecer, a única certeza que se tinha, era que o pior ainda estava por vir.

Era outono de 2020: e como a utopia é mais útil do que a realidade, divaguei que as pessoas, resguardadas em suas casas, começaram a descobrir novas formas de lidarem com o ostracismo social. Começaram a dar um novo significado às relações entre cônjuges e entre pais e filhos; as pessoas observaram que enfim tinham o tão sonhado tempo para brincar seus filhos, para ouvi-los e para conversar com eles sobre assuntos polêmicos.

Era outono de 2020: as pessoas perceberam que poderiam se importar mais com elas mesmas, com suas saúdes: física, mental e emocional. As pessoas descobriram que poderiam usar as redes sociais não apenas para o entretenimento, mas também para estudarem e estudando abandonaram as picuinhas passionais e passaram a se interessar pelo real sentido da vida e perceberam a importância de se questionar sobre políticas públicas, sobre as fenomenologias e as desigualdades sociais….

Era outono de 2020: e as pessoas aprenderam as três línguas mais importantes da Terra: a partilha, a empatia e a luta. Assim, as pessoas começaram a cantar em seus quintais e sacadas; se colocaram á disposição para fazerem as compras dos idosos e a lhes fazerem chamadas de vídeos e rirem com eles; em vídeos também, trocaram receitas, brincadeiras, piadas, músicas, conselhos, orações, pensamentos de perseverança e amor a vida.

Então o outono passou e levou com ele a pandemia. E as pessoas assistiram na TV que o vírus fora dissipado, e elas saíram ás ruas sem máscaras, ou quaisquer restrições, e abraçavam umas às outras cantando, dançando e chorando de felicidade. E quando o inverno chegou, elas não se importaram com o frio, pois a luta havia lhes ensinado o real sentido da vida, amá-la e se dedicar a ela com valentia.

Este outono triste não durará para sempre!

Este outono triste e vazio de esperanças não durará para sempre! Acredite! Vamos juntos!

Posted by Clara Dawn on Thursday, April 2, 2020

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Clara Dawn
Escritora, psicanalista, especialista em "Prevenção aos transtornos mentais e ao suicídio na adolescência" e autora de 7 livros publicados.