Existir é um processo mental doloroso, principalmente entre os 12 e 27 anos quando o cérebro experimenta grande transições. É como ligar um aparelho elétrico de 110V numa tomada de 220V: ao ligar um aparelho 110V em uma tomada de 220V, o aparelho receberá o dobro da tensão elétrica que necessita, e como consequência entrará em colapso. E é durante esse terrível estágio da vida que fazemos os mais angustiantes malabares entre reticências, exclamações e interrogações, constituindo assim, a adolescência como a fase mais difícil da existência humana, pois a não compressão dessa acentuada ebulição mental em si mesmos, faz com que muitos jovens optam pelo ponto final, tomando assim uma ‘pseudo solução’ definitiva para um problema temporário.

O cérebro, este organismo incrível,  precisa ser estudado, compreendido e tratado como se trata todo o resto do corpo. Por isso, precisamos falar com nossos adolescentes sobre o que está acontecendo dentro da sua cabeça e que isso é uma evolução natural de seu cérebro. É a mais longa e dolorosa fase de transformação de sua vida. É um ciclo quase insuportável? Sim, é verdade, mas quando os adultos o compreende e aceita-o como o ciclo mais difícil de se fechar na vida e passam a falar sobre ele com seus filhos adolescentes, incentivando-os a dizerem o que sente, a não se isolarem na dor, a verbalizarem suas dores de existir e se permitirem à ajuda de  profissionais da saúde mental, ou de grupos de apoio, o afeto da família, dos amigos, de voluntários; o suicídio pode ser evitado.

Entretanto, há situações em que nenhuma dessas coisas adiantam. Porque não existe uma única razão para que alguém opte pela automorte. O suicídio é o resultado de uma rede de fatores biológicos, genéticos, psicológicos e socioculturais e é por isso que não são só os adolescentes que matam, mas a incidência é 60% maior na fase de transição do cérebro da adolescência para a vida adulta.

Tenho observado em muitas das pessoas que pedem ajuda, que elas não suportam em si mesmas a ideia de se autoajudarem; elas não têm misericórdia de si mesmas; não têm boa vontade com o seu processo de autocura… E elas não têm culpa de se sentirem assim, pois é como se estivessem no fundo de um poço aguardando por alguém que lhes jogue uma corda, mas quando isso acontece, só o fato de terem que laçar a corda em volta de si e darem o sinal para serem puxadas, é um esforço doloroso demais para elas. Porque quando se está no fundo do poço, a pessoa precisa ser salva de si mesma. Jogar a corda não adiantará. É preciso descer onde ela está e só depois de ouvi-la e compreender suas lágrimas, você poderá se agarrar a ela e levá-la para fora – para longe de onde ela estava – para que ela enfim comece a olhar para si mesma fora do poço e comece a acreditar que há uma existência com um sentido real fora do poço. Na prática isso quer dizer que não adiantará, coisa alguma, você dar conselhos, dar dicas de como sair daquele momento terrível. Só o que adianta, é ouvi-la, é compreendê-la, é abraçá-la, é demonstrar praticando que você tem tempo para ouvi-la.

Texto de Clara Dawn

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Clara Dawn
Escritora, psicanalista, especialista em "Prevenção aos transtornos mentais e ao suicídio na adolescência" e autora de 7 livros publicados.