A criança sadia e feliz, é barulhenta, inquieta, perguntadeira e rebelde

Benício Ávila, foto arquivo pessoal autorizada pela mãe Annalydia Ávila. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização.

Estamos vivenciando um tempo em que os adultos se esqueceram do que é ser criança. E o mais assustador nessa condição, é que a indústria farmacêutica tem se beneficiado muito com a ‘criançafobia’ (repulsa pelo ser criança) e assim, com a ajuda de pais e de profissionais da saúde mental, comportamentos comuns da infância têm sido diagnosticados como transtornos metais. Dessa maneira crianças saudáveis são medicalizadas só porque são inquietas, barulhentas, rebeldes, perguntadeiras…

A patologização e a medicalização da infância é um erro gravíssimo que tem sido cobrado de forma muito severa no corpo e no cérebro das crianças.

A criança sadia e feliz, é barulhenta, inquieta, perguntadeira, rebelde corre, grita… faz de tudo para chama a nossa atenção. As crianças querem tocar em tudo, experimentar, sentir, rir, aprender… E devemos oferecer a elas ambientes onde isso seja possível. Pois, se sempre as obrigarmos a ficarem caladas, a não chorarem, a falarem baixo, a não se moverem da cadeira e a não expressarem os seus sentimentos, emoções e pensamentos, elas serão crianças assustadas que não se atreverão a explorarem o mundo, a se superarem, a questionarem, a buscarem respostas por si mesmas…  Elas crescerão e serão adultos sem nenhuma inteligência emocional, serão estagnados, oprimidos e sem autoestima, não terão voz no mundo e suas relações afetivas serão conflituosas.

Ensinando que há hora de fazer barulho, há hora de ficar em silêncio, há hora de brincar e hora de ficar quieto

Isso precisa ser verbalizado em tom suficiente de voz: se posicione fisicamente de modo a ficar na mesma altura do seu filho. Olhe nos seus olhos e diga: ‘agora é hora de brincar’; ‘agora é hora de dormir’; ‘agora é hora de ficar em silêncio; agora é hora de dar gargalhadas…’. Depois peça para ele repetir o que vai acontecer naquela hora.

Os ‘choros de alerta’ devem ser atendidos, não censurados. Se uma criança quer tocar algo iremos protegê-la para que não se machuque, mas é necessário fomentar a sua conduta de exploração, de curiosidade, de interação com seu meio. A infância é barulhenta por natureza. Não é preciso passar por uma creche ou uma escola primária na hora do recreio para lembrar o que é ser criança. Elas terão tempo para crescer e também fazerem silêncio, para ficarem quietas nos assentos de um avião sem incomodar ninguém.

O lado positivo da birra

Este é apenas um pequeno exemplo do que muitos pais sofrem dia após dia. Ir ao supermercado, passar um tempo no shopping, comer em um restaurante…. Se uma criança grita, chora ou chama a atenção de outras pessoas é porque seus pais “estão fazendo algo errado”. As birras da criança são um dos aspectos mais desafiadores da educação familiar. Nós tendemos a nos sentir como bons pais quando nossas crianças são sorridentes e à vontade, mas podemos nos sentir impotentes e oprimidos quando eles estão deitados no chão, chutando e gritando. No entanto, acredite ou não, as birras da criança são uma parte importante da saúde emocional e bem-estar da nossa criança, e podemos aprender a ser mais calmo diante deles.  razões importantes pelas quais a birra da criança é realmente uma coisa boa.

  • É uma ideia incorreta e estigmatizada que a birra é sempre ruim. Cada criança tem a sua personalidade e a sua forma de interagir em seus contextos mais próximos. Há alguns mais inquietos e outros mais tranquilos, mas isso nem sempre é resultado da educação dada pelos pais.
  • Os bebês choram, e o choro é a linguagem essencial para eles se comunicarem. Estudos mostram que deixar que os bebês chorem sozinhos até pegar no sono não faz mal à saúde e nem gera traumas emocionais. Se você sabe que a criança não está doente, não está com fome, não está com a frauda suja, não está frio…, então eu lhe garanto, o fato de você deixá-la chorar, não será um assunto que ela levará à análise na vida adulta.
  • Se deu birra deixe chorar até a birra passar. Pois a birra alivia o estresse da criança; acalma os pensamentos; faz dormir melhor; e a ensina a compreender limites e o significado do ‘não’.
  • Você pode oferecer uma mesada para a criança. As crianças a partir dos 4 anos de idade podem receber uma mesada e é dessa mesada que elas tirarão o dinheiro para comprarem o que querem no supermercado. Elas então, começarão a ter noções de economia, autorregulação e responsabilidade para com os seus desejos e o valor que eles têm.

Capa: Benício Ávila, foto arquivo pessoal autorizada pela mãe Annalydia M. de Ávila. Proibida a reprodução sem autorização. 

Texto de Clara Dawn, escritora, neuropsicopedagoga e psicanalista, especialista em prevenção à drogadição, aos transtornos mentais e ao suicídio na infância e na adolescência.